Pagodeiro se irrita com Multishow; Henrique e Juliano ganham prêmio, mas não aparecem

Piscinas

sorriso maroto Olá, mundo!

(Foto: Reprodução/Instagram)

Bruno Cardoso, vocalista do Sorriso Maroto, concorreu ao Prêmio Multishow como melhor grupo.

Na mesma categoria, estava a dupla sertaneja Henrique e Juliano, que levou o prêmio (mas nem deu as caras para buscar o troféu…).

Bruno se irritou e publicou um desabafo em sua rede social, indignado pelo fato de grupo e dupla concorrerem na mesma categoria, afinal são coisas bem diferentes, né??? 

Ele disse:

Acho que vou contratar o meu amigo Mario Bittencourt, advogado por muitos anos do Fluminense, responsável por grandes feitos no futebol para o seu clube pra resolver um dilema.

Grupo é igual a dupla? 

Cabe recurso? Acho que da pra um grupo ganhar ainda. Vai que consigamos virar a mesa?

henrique juliano Olá, mundo!

Henrique e Juliano, que são uma dupla, ganharam como melhor grupo… Vai entender… E ainda nem apareceram para pegar o prêmio… (Foto: Divulgação)

 

 

Powered by WPeMatico

Cleo Pires admite que usa drogas

Piscinas

cleo pires Olá, mundo!

Cleo adora postar fotos sensuais em sua rede social (Foto: Reprodução Instagram)

Cleo Pires abriu o coração durante entrevista para a revista Veja Rio. A filha de Gloria Pires e Fábio Jr. foi questionada sobre o uso de drogas.

E não fez rodeios para responder: “É óbvio que já usei. Seria hipócrita se eu negasse, mas hoje só uso recreativamente”.

Cleo contou ainda que é louca por sexo, adora assistir filmes pornôs e que tem fetiches, como sadomasoquismo, por exemplo. “Também gosto de brincar com facas”, revelou.

Ai, que medo!!!

A atriz admitiu também que adora publicar fotos de calcinha na internet e que não se incomoda com o que vão falar.

Sobre ser mãe, disse: “Penso em fazer produção independente. Não quero um pai careta interferindo na educação. Vou criar meu filho no mundo”.

Resumindo: Pelo menos Cleo Pires é autêntica, não é hipócrita e não fica se fazendo de santa como outras famosas por aí…

 

Veja também:

Cleo Pires aparece com cigarro diferente em vídeo

Cleo Pires nega relação com assessora

 

 

Powered by WPeMatico

Brasil quase acabou com as baleias jubarte! Conheça as gigantes

Piscinas

 

baleias 3 Olá, mundo!

Elas medem 16 metros e pesam 40 toneladas, o mesmo que oito elefantes juntos (foto Facebook Instituto Baleia Jubarte)

Elas quase sumiram do mapa no século 21, quando eram caçadas sem dó para vira comida e serem esquartejadas para uso industrial, com seu óleo usado para cosméticos e até para construção civil. Sim, os humanos quase acabaram com as gigantes do mar.

Em muito lugar pelo mundo, a caça ainda é permitida. Aqui, não mais, desde uma lei de 1987. E, 1996 nasceu a ong Instituto Projeto Jubarte, e desde 2001, temos um santuário de baleias por aqui, com garantia de proteção a elas e a todo cetáceo. A expectativa de vida é de 60 anos.

Todos os anos elas vêm lá do gelo da Antártida, depois da patagônia argentina, para o Brasil, para copular e reproduzir. De julho a novembro a Bahia vira o maior berço reprodutivo da espécie, justamente em Abrolhos.

É possível vê-las em passeios que saem de Porto Seguro e da Praia do Forte também. Um adulto pode medir até 16 metros e pesar 40 toneladas, o mesmo que de oito elefantes juntos.

Essas gigantes são extremamente cuidadosas com seus bebezões. Um filhote costuma medir 4 metros e pesar 1,5 tonelada (1.500 quilos). Elas dão a luz por aqui. Após nadar e respirar o bebê mergulha para  mamar.

O leite das baleias possui um alto teor de gordura, cerca de 40%, para que eles ganhem 30 quilos por dia e a camada de gordura da pele fique espessa.

Embora com pele fina, as baleias possuem uma espessa camada de gordura que serve como um isolante para protegê-las do frio como reserva de energia. Na jubarte esta camada pode medir mais de 15 centímetros.

As gigantes do mar são protetoras, protegem não só seu filhote como também outros bichos, como focas e leões marinhos de predadores. Vê-las na Bahia é um privilégio que podemos ter todos os anos, de julho a novembro. Veja aqui como é o passeio, que sai o paradisíaco Tivoli Ecoresort Praia do Forte

 

Baleias ficam loucas em parques, revela documentário

Sigam-me os bons

baleias Olá, mundo!

Powered by WPeMatico

Bruna Marquezine beija mulher e perde inocência na TV

Piscinas

brunavale Olá, mundo!

Bruna Marquezine em uma de suas cenas ousadas (Foto: Reprodução/Globo)

Nesta terça (18), foi ao ar o terceiro episódio de Nada Será Como Antes e o grande destaque foi mesmo o beijo lésbico entre Beatriz e Júia, personagens de Bruna Marquezine e Letícia Colin, respectivamente. Não chegou a ser um beijão. Foi algo mais como um beijo roubado, com as duas atrás de uma parede. Mas foi o suficiente para levar a internet à loucura e também para marcar uma espécie de fim da inocência de Bruna. Ainda houve outra cena que sugeriu sexo entre as personagens, mas que não foi mostrado.

Quem acompanha TV sabe que a atriz está em novelas desde muito pequena, garotinha mesmo. De lá para cá ela já fez muitos papéis, quase sempre de menininha e, apenas mais recentemente, um pouco mais ousada. Mas nada como o que se viu agora e Nada Será Como Antes. Assim, a cena é mesmo um rito de passagem de Marquezine. Ele passará, daqui para frente, a ser vista de uma nova maneira pelos espectadores. Fora que realmente está mostrando que é sim uma boa atriz.

 

 

Powered by WPeMatico

Eliminatórias: Brasil deve liderança ao Palmeiras

Piscinas

Gabriel Jesus @111016@ Olá, mundo!

Gabriel Jesus comemora gol nos 2 a 0 sobre a Venezuela: ‘Alô, mamãe, o Brasil é líder’

O Brasil está em dívida com o Palmeiras e não é pelo futebol um pouco mais do que mediano que vem valendo ao time de Cuca a longa permanência na liderança do Brasileirão e, sim, pelos gols do colombiano Yerry Mina no 2 a 2 com o Uruguai e do nosso Gabriel Jesus nos 2 a 0 sobre a Venezuela.

Quando, aos 39 do segundo tempo, o palmeirense Mina empatou o jogo que a Colômbia ia perdendo em Barranquilla, baixou a bola uruguaia para 20 pontos e deixou a Seleção de Tite dependendo apenas de uma vitória sobre a fraquinha Venezuela para finalmente assumir a liderança das Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo de 2018.

Logo aos sete minutos do jogo em Mérida, o palmeirense Gabriel Jesus botou o Brasil em primeiro lugar nas Eliminatóras ao fazer 1 a 0 num lance em que mostrou concentração, esperteza e categoria para capturar a bola mal adiantada pelo goleiro  Dani Hernández e, de cavadinha, mandá-la de volta às redes venezuelanas.

Comemorou encenando uma telefonema imaginário para a mamãe, dona Vera Lúcia, tão fã quanto crítica de garoto os palmeirenses poderão reencontrar na quinta em Araraquara contra o Cruzeiro.

Foi a quarta vitória consecutiva da Seleção, mas nem de longe foi sua melhor exibição sob o comando de Tite, sinal de que o técnico talvez não esteja tão certo ao dizer que não podemos ser dependentes de Neymar.

Sem Neymar, o Brasil perde verticalidade. Pode até mandar no jogo, como mandou nestes 2 a 0 sobre a Venezuela, mas fica devendo em contundência e criatividade.

Pior é a vida da seleção argentina quando não tem Messi, como se viu mais uma vez na derrota por 1 a 0 para o Paraguai em Córdoba!

No Brasil x Argentina da próxima rodada, Messi estará de volta. Para nossa felicidade, Neymar também.

No segundo tempo em Mérida, de novo aos sete minutos, Willian, o substitudo de Neymar, aproveitou um cruzamento de Renato Augusto e fez 2 a 0 para o Brasil.

E mais o Brasil poderia ter feito se não fosse o apagão no estádio de Mérida 20 minutos depois, uma espécie de senha para que os 40.726 pagantes disparassem o coro: “
Fora, Maduro! Fora, Maduro!”

Quase meia hora depois, a bola voltou a rolar, mas tudo acabou nos 2 a 0, o suficiente para levar o Brasil à liderança, com 41 pontos, um a mais do que o Uruguai, quatro a mais do que o Equador e a Colômbia, folga que deixa Gabriel Jesus e companhia muito perto tirar o passaporte para Rússia.

 

 

Powered by WPeMatico

As notas de Brasil 2 X 0 na Venezuela – numa rodada deliciosamente favorável…

Piscinas

 Olá, mundo!

Apelidado de “Vinotinto” por causa da coloração grená do seu uniforme, o time nacional da Venezuela hospedou nesta quarta-feira, 11 de Outubro, o seu rival do Brasil, com dois objetivos de sonho. Vencer o “Canarinho” pela primeira vez em dezesseis cotejos das Eliminatórias da Copa do Mundo no continente.  Melhorar a sua situação, terrível, na tabela de classificação – até então, medíocres 2 pontos ganhos em nove rodadas da competição.

 

Realizado no Estádio Metropolitano de Mérida, 42.200 lugares integralmente ocupados, o cotejo também serviu para valorizar uma cidade de cerca de um milhão de habitantes, 30% deles universitários, prodigiosa exceção numa nação em que se racionam itens elementares como aqueles da cesta básica, o sabonete e até mesmo o papel higiênico. Mérida se orgulha do analfabetismo zero.

 

Nas estatísticas gerais da história do confronto, os dois países já haviam se desafiado 23 vezes, 20 triunfos do Brasil, dois empates e um único sucesso da Venezuela, arrasadores 87 tentos a 8. Só nas Eliminatórias a folga do Brasil, em 15 combates, apontava 14 triunfos e uma rala igualdade, 60 tentos a 4. Além de preservar essa incrível vantagem, a seleção agora comandada por Tite, o gaúcho Adenor Bacchi, 18 pontos, também fantasiava um placar suficiente para colocá-la na liderança da tabela.

 

Venezuela x Brasil Olá, mundo!

Precisaria, evidentemente, de resultados favoráveis nas outras quatro pugnas da jornada, a décima de um total de dezoito. Principalmente necessitaria de um escorregão do Uruguai (19 pontos) em visita à Colômbia (16). Na sua Barraquilla, debaixo de um temporal de dilúvio, a dona da casa, sem o astro James Rodríguez, contundido, abriu o placar com Aguilar mas permitiu a virada da “Celeste”, 1 X 2, tentos de Crístian Rodríguez e Suárez. Daí, apenas obteve os 2 X 2 aos 86’, numa cabeçada portentosa do zagueiro Mina, que atua no Palmeiras. Consequência: o Uruguai na cota dos 20 pontos, a Colômbia com 17,

 

Em La Paz, graças a dois tentos de Pablo Escobar, não confundir com o extinto traficante, a Bolívia saiu à frente do Equador, 2 X 0, antes do intervalo. Logo no início da etapa derradeira, porém, cedeu um gol a Enner Valencia, aquele que fugiu da polícia no último sábado, durante o seu prélio contra o Chile, 3 X 0 – deve uma boa grana de pensão alimentícia a uma filha. E, nos acréscimos, cedeu os 2 X 2 ao mesmo Enner Valencia. Feliz Equador, que subiu um tico, aos 17 pontos. A Bolívia ficou nos 8.

 

Quase uma decepção o Chile, no Nacional de Santiago. Chegou a 1 X 0, o apoiador Vidal, de cocuruto, aos 10’. Porém, se acomodou e sofreu a igualdade aos 76’, Flores, num tiro de bico. Aos 85’, de todo modo, esquisitamente, de virada, Vidal salvou a pátria. Chile 2 X 1 e, com 14 pontos, ainda na batalha por uma vaga na repescagem. O Peru empacou nos 8 pontos. Adiós, Rússia/2018.

 

Inexplicavelmente escondida no Kempes de Córdoba, a Argentina grotescamente capengou. Aos 20’, depois de um desarme ousado e de um passe exato do corinthiano Angel Romero, em velocidade Derlís González pespegou 1 X 0 na anfitriã. Aos 47’, Aguero, ex-genro de Dieguito Maradona, cobrou pateticamente um penal: meramente empurrou até Villar no canto certinho. E a seleção platina atingiu a sexta porfia seguida, na sua terra, sem suplantar a guarani. O Paraguai subiu aos 15 pontos. A Argentina continuou nos 16, um perigoso quinto lugar na tabela.

 

Cj KbTdXAAA KJK Olá, mundo!

Embora localizada no extremo oeste da Venezuela, bem distante da Colômbia, também Mérida padeceu com o nubifrágio que assolou a parte setentrional da América do Sul e comprometeu o gramado do Metropolitano. Aos 7’, ao tentar, com os pés, desastrosamente, a saída de bola, o arqueiro Hernández a entregou sem custo a Gabriel Jesus que o encobriu, suavemente, majestosamente, 1 X 0. Aos 53’, o inesgotável Renato Augusto caiu pela esquerda e cruzou, paralelamente à linha de fundo. No poste oposto, atentíssimo, Willian esperou e fulminou, 2 X 0.

 

 

Azar do espetáculo, e das transmissões de TV, aconteceu, aos 72’, um apagão nas torres de iluminação. Paralisação de 23 minutos, sem que a chuva propiciasse uma trégua.

E daí nada houve de destacável, Brasil tranqüilos 2 X 0.

Mais treino do que debate, o encontro de Mérida valeu pelos pontos. Com 21, o Brasil ultrapassou o Uruguai. E que venga la Argentina, 10 de Outubro, no Mineirão.

 

Eis as avaliações de Tite e dos seus pupilos:

 

ALISSON – Com a Venezuela recuada e a marcação bem adiantada, se exibiu como um quase líbero. Na única ocasião em que precisou agir foi espetacular. Nota 7,0.

 

DANI ALVES – Solitário remanescente da derrota do “Canarinho” para o “Vinotinto”, 0 X 2, num amistoso em Foxborough/Boston/EUA, 6/8/2008. Desfrutou muito pouco a facilidade que teve para avançar. 6,5.

 

MARQUINHOS – Assustou ao se descontrolar, atrasado, em diversos levantamentos sobre a área. Apenas 5,5.

 

MIRANDA – O sóbrio talento de sempre, impecável nas coberturas. Artapalhado, contudo, por Marquinhos. 6,5.

 

FILIPE LUÍS – No rodízio promovido pelo treinador, o capitão de plantão. Parece ter pesado a braçadeira. 6,0.

 

FERNANDINHO – Recebeu a grande oportunidade de se provar, de novo, digno do posto do titular Casemiro, lesionado. Pouquíssimo trabalho na proteção. 6,5.

 

WILLIAN – Recebeu a grande responsabilidade de se provar digno do posto do suspenso Neymar. E não se abalou. Invariavelmente bem nas movimentações. 7,0.

 

TYSON – Substituiu Willian. Sem Nota.

 

PAULINHO – Depois de um combate de penalidade por excesso de advertências, voltou ao time, no posto do bom Giuliano. Fluente, mais ponta-de-lança do que volante, em duas circunstâncias careceu de eficiência no arremate. Certamente o titular contra a Argentina. 7,0.

 

 Olá, mundo!

RENATO AUGUSTO – Apesar do gramado deprimente, a cada prélio mais se transforma no grande comandante da equipe. Corre em todos os quadrantes. 8,0.

 

PHILIPPE COUTINHO – Sem a vasta criatividade de Neymar, recebeu a incumbência de atazanar a retaguarda da Venezuela. A qualidade deprimente do gramado não lhe permitiu que repetisse o seu habitual estilo de deslizar elegantemente entre ambos os flancos. Apenas 7,0.

 

GIULIANO – Substituiu o exausto Coutinho.

 

84 Olá, mundo!

GABRIEL JESUS – Diante da pior defesa do continente, 24 tentos sofridos. Criou, no 1 X 0, uma obra-prima. E demonstrou caráter e personalidade. O melhor, 8,5.

 

TITE – Mesmo sem Neymar, preservou o seu sistema, no formato 4-1-4-1. Nada empenhado o seu elenco, ganha um mês para se armar contra a Argentina. Somou a sua quarta pugna e sua quarta vitória com a seleção. 7,0.

 

Gostou? Clique em “Recomendar”, em “Tuitar”, ou registre a sua opinião em “Comentários”. Muito obrigado. E um abração.

Powered by WPeMatico